Boldo-do-chile

IDENTIFICAÇÃO

Peumus boldus Molina

Monimiaceae

-

Sinonímia

Espécie

Família

Ref.: (1); (2); (3)

Nome Popular

Boldo-do-chile, boldo-verdadeiro

Parte utilizada/órgão vegetal

Folhas.(2,3,4)

Indicado como colagogo, colerético e nas dispepsias funcionais.(3)

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

 

Contraindicado para menores de 6 anos se pacientes com histórico de hipersensibilidade e alergia a qualquer um dos componentes do fitoterápico. (5) Contraindicado nos casos de obstrução das vias biliares, cálculos biliares, infecções ou câncer de ducto biliar e câncer de pâncreas, devido aos efeitos colagogo e colerético.(6) Pacientes com quadro de afecções severas no fígado, como hepatite viral, cirrose e hepatite tóxica não deverão fazer uso desse fitoterápico.(6) Esse produto não deve ser usado durante a gravidez, devido a presença do alcaloide esparteína, que tem atividade ocitóxica.(7) Mulheres em período de lactância não deverão fazer uso desse fitoterápico, devido à presença de alcaloides e risco de neurotoxicidade.(5)

CONTRAINDICAÇÕES

 

Não ingerir doses maiores do que as recomendadas. O uso desse fitoterápico não deve ultrapassar quatro semanas consecutivas. Esse fitoterápico não deve ser utilizado por lactantes e mulheres grávidas sem orientação médica.(4)

PRECAUÇÕES DE USO

 

Nas doses recomendadas não são conhecidos efeitos adversos ao fitoterápico. Doses acima das recomendadas causam irritação nas vias urinárias, vômitos e diarreia.(4)

EFEITOS ADVERSOS

 

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre as interações medicamentosas com fitoterápicos à base de P. boldus.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

 

Infuso.(2) Cápsulas ou comprimidos contendo extrato seco.(4)

FORMAS FARMACÊUTICAS

 

Oral. Uso adulto e infantil acima de 12 anos. Infuso obtido com 1 a 2g da droga em 150 mL de água. Tomar 150 mL do infuso, 10 a 15 minutos após o preparo, duas vezes ao dia.(2) Extrato seco,50-100 mg/dose, duas a três vezes ao dia.(9)

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E POSOLOGIA (DOSE E INTERVALO)

 

O uso desse fitoterápico não deve ultrapassar quatro semanas consecutivas.

TEMPO DE UTILIZAÇÃO

 

Doses superiores às recomendadas poderão provocar distúrbios urinários, vômitos e diarreia. Em caso de superdosagem, suspender o uso e procurar orientação médica de imediato.

SUPERDOSAGEM

 

PRESCRIÇÃO

Fitoterápico, isento de prescrição médica

 

Epaliv, Boldine, Biohepaton, Boldo Belfar, Hepatilon

NOMES COMERCIAIS

Variação de Preço: R$ 1,45  /  R$ 17,73

 

Alcaloides, flavonoides, cumarina, sesquiterpenoides e taninos.(3)

PRINCIPAIS CLASSES QUÍMICAS

INFORMAÇÕES SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA

 

As atividades colerética e antiespasmódica foram demonstradas por estudos in vitro e em órgãos isolados. Em estudos não-clínicos em ratos verificou-se a ação colerética do fitoterápico contendo Peumus boldus, medida pelo aumento da secreção de bile pela vesícula biliar. Os preparados contendo P. boldus aumentam a secreção biliar e fluidificam a bile, sem alterar a sua composição.(8) Os constituintes alcaloídicos estão associados à atividade colerética do fitoterápico.(9) O alcaloide boldina age como relaxante da musculatura lisa intestinal, de acordo com estudos realizados em órgãos isolados.(10)

Ensaios não-clínicos Farmacológicos

Em estudos verificaram o efeito teratogênico para o extrato de P. boldus. (11,12) Na avaliação toxicológica do extrato hidroetanólico de Peumus boldus em ratos verificou-se que ratas prenhas, tratadas oralmente com 0,80 g/kg, não produziram alterações anatômicas no feto. Algumas alterações foram observadas no fígado, e poucos casos de aborto, o que indica moderação e cuidado na administração desse fitoterápico.(13)

Ensaios não-clínicos Toxicológicos

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.

Ensaios clínicos Farmacológicos

Não foram encontrados dados na literatura consultada.

Ensaios clínicos Toxicológicos

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. Memento Fitoterápico, 1° Edição, 2016. Disponível em: http://bit.ly/2LMgjOy

FONTE

1: Chaboussant PJ, Gagez AL, Graber M, Zhao JM, Chavant F, Perault-Pochat MC, Graber D. [Behavioural impairments and hallucinations after consumption of boldo leaf infusions]. Therapie. 2014 Sep-Oct;69(5):465-7. doi: 10.2515/therapie/2014052. Epub 2014 Sep 18. French. PubMed PMID: 25230279.

 

2: Agarwal SC, Crook JR, Pepper CB. Herbal remedies-how safe are they? A case report of polymorphic ventricular tachycardia/ventricular fibrillation induced by herbal medication used for obesity. Int J Cardiol. 2006 Jan 13;106(2):260-1. PubMed PMID: 16321701.

 

3: O'Brien P, Carrasco-Pozo C, Speisky H. Boldine and its antioxidant or health-promoting properties. Chem Biol Interact. 2006 Jan 5;159(1):1-17. Epub 2005 Oct 10. Review. PubMed PMID: 16221469.

SELEÇÃO DE PUBLICAÇÕES 

 

(1) TROPICOS.Disponível em: http://www.tropicos.org/Name/21200001?tab=synonyms>. Acesso em: 03maio 2016.

(2) BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. 1. ed. Brasília, DF: ANVISA, 2011. 126 p.

(3) D´IPPOLITO, J. A. C.; ROCHA, L. M.; SILVA, R. F. Fitorerapia Magistral – Um guia prá- tico para a manipulação de fitoterápicos. São Paulo: Anfarmag, 2005. 194 p.

(4) EMA. European Medicines Agency. Community on Herbal Monograph Products (HMPC). Peumus boldus Molina, folium. Disponivel em: . Acesso em: 23 fev. 2015.

(5) ALONSO J. Tratado de Fitomedicina – Bases Clínicas y Farmacológicas. Buenos Aires: ISIS Ediciones, 1998.

(6) BRINKER, F. Herb Contraindications & Drug Interactions. 3th ed. Sandy, OR: Eclectic Medical Publications, 2001.

(7) PFIRTER, B.Y.; MANDRILE, E. Farmoplantas: Boldo. Rev Bifase, v. 6, n. 6, 1991.

(8) SALATI, R.; LUGLI, R.; TAMBORINO, E. Valutazione delle proprieta coleretiche di due preparati contenente estratti di boldo e cascara. Gastroenteroly, v. 30, p. 269-272, 1984.

(9) NEWALL, C. A.; ANDERSON, L. A.; PHILLIPSON, J. D. Herbal Medicines: A Guide for Health Care Professionals. London: The Pharmaceutical Press, 1996.

(10) BRUNETON, J. Pharmacognosy, Phytochemistry, Medicinal Plants. Paris: Lavoisier Publishing, 1995.

(11) TAVARES, D. C.; TAKAHASHI, C. S. Evaluation of the genotoxic potential of the alkaloid boldine in mammalian cell systems in vitro and in vitro. Mutation Research, v. 321, p. 139-145, 1994.

(12) ALMEIDA, F. C. G.; LEMONICA, I. P. The toxic effects of Coleus barbatus B. on the different periods of pregnancy in rats. Journal of Ethnopharmacology, v.73, p.53-60, 2000.

(13) MORENO, P. H. R.; VARGAS, V. M.; ANDRADE, H. H.; HENRIQUES, A. T.; HENRIQUES, J. A. Genotoxicity of the boldine aporphine alkaloid in prokaryotic and eukaryotic organisms. Mutation Research, v. 280, p. 145- 152, 1991.

(14) MENGUE, S. S.; MENTZ, L. A.; SHENKEL, E. P. Uso de plantas medicinais na gravidez. Revista Brasileira Farmacognosia, v.11, p.21-35, 2001.

Imagem: Name Peumus boldus Molina. Short Description Flowers. Long Description Flowering branch. Image Kind Photo (general). Bar Code    MOA-04805. Copyright  MBG. Photographer A. Gentry. Location Valdivia Botanical Garden. Date 1986. Fonte: Tropicos. Disponível em:http://bit.ly/2RNPUoY

REFERÊNCIAS

® FitoBula. 2019.

Todos os diretos reservados. 

  • Facebook
  • Instagram