Maracujá

IDENTIFICAÇÃO

Passiflora incarnata L.

creeping-1300062.png

Passifloraceae Juss. ex Roussel

-

Sinonímia

Espécie

Família

Ref.: (1); (2); (3)

Nome Popular

Maracujá, flor da paixão, maracujá doce

Parte utilizada/órgão vegetal

Folhas.(4)

Ansiolítico e sedativo leve.(4)

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

 

Seu uso é contraindicado durante a gravidez. Não utilizar em casos de tratamento com sedativos e depressores do sistema nervoso.(4)

CONTRAINDICAÇÕES

 

Seu uso não é recomendado em gestantes; lactantes; alcoolistas e diabéticos. Crianças de três a 12 anos devem passar por orientação médica. Seu uso pode causar sonolência.(4) Não utilizar em caso de tratamento com medicamentos depressores do sistema nervoso central.(5-10) Seu uso pode causar sonolência, não utilizar cronicamente.(4) Pode ocorrer sonolência durante o tratamento. Nesse caso o paciente não deverá dirigir veículos ou operar máquinas, já que a habilidade e atenção podem ficar reduzidas.(11)

PRECAUÇÕES DE USO

 

Existem casos clínicos relatados de hipersensibilidade,(12) asma ocupacional mediada por IgE e rinite. (13) Doses elevadas poderão causar estados de sonolência excessiva.

EFEITOS ADVERSOS

 

Esse fitoterápico potencializa os efeitos sedativos do pentobarbital e hexobarbital, aumentando o tempo de sono de pacientes. Há indícios de que as cumarinas presentes na espécie vegetal apresentam ação anticoagulante potencial e possivelmente interagem com varfarina.(14) O uso desse fitoterápico associado a drogas inibidoras da monoamino oxidase (isocarboxazida, fenelzina e tranilcipromina) pode potencializar o efeito.(15)

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

 

Planta fresca (in natura), droga vegetal (encapsulada),(4) extrato fluido e tintura.(3)

FORMAS FARMACÊUTICAS

 

Oral. Para adolescentes e adultos: infusão da droga vegetal - 1-2 g em 150 mL de água fervente, tomar 1-4 vezes por dia (10 a 15 minutos após o preparo). Droga vegetal encapsulada – 0,5-2 g, 1-4 vezes por dia.(16) Extrato fluido (1:1 em álcool etílico 25%) - 0,5 a 1,0 mL, 3 vezes ao dia.(4) Tintura (1:8 em álcool 45%) - 0,5 a 2,0 mL, 3 vezes ao dia.(17) A posologia recomendada para adultos é de 3-5 vezes ao dia, e para adolescentes de 3 vezes ao dia.(16) A dose do extrato seco deverá corresponder à posologia das formas acima descritas.

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E POSOLOGIA (DOSE E INTERVALO)

 

Caso os sintomas persistam acima de duas semanas durante o uso do medicamento, um médico deverá ser procurado.

TEMPO DE UTILIZAÇÃO

 

Em caso de superdosagem, suspender o uso e procurar orientação médica de imediato. Alguns dos sintomas são: sedação, diminuição da atenção e dos reflexos.

SUPERDOSAGEM

 

PRESCRIÇÃO

Fitoterápico isento de prescrição médica.

 

Sintocalmy Comprimido, Maracujá - Herbarium, Pasalix Pi, Sintocalmy Gotas, Sintocalmy Solução Oral, Calmintheo, Tensart, Calmoplantas Cápsulas, Ritmoneuran Cápsula, Seakalm, Passiene, Pazine, Ritmoneuran Solução, Calmoplantas Tintura

NOMES COMERCIAIS

Variação de Preço: R$ 1,99 /  R$ 45,97

 
+ Informações

Os constituintes químicos são: fitosteróis, heterosídeos cianogênicos, alcaloides indólicos (menos de 0,03%), flavonoides (di-C-heterosídeos de flavonas até 2,5%, vitexina e apigenina) e cumarinas.(17)

PRINCIPAIS CLASSES QUÍMICAS

INFORMAÇÕES SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA

 

A atividade ansiolítica do extrato hidroetanólico de P. incarnata L. (400 mg/kg, intraperitoneal) e a atividade sedativa do extrato aquoso (400 e 800 mg/kg, intraperitoneal) foram comprovadas em camundongos.(18) Estudo in vitro com extrato seco hidroetanólico de P. incarnata (50% v/v) sobre o sistema GABA, inibiu a recaptação de [3 H]-GABA em sinaptosomas corticais de ratos, não atuando sobre a liberação de GABA e na atividade da GABA transaminase. O extrato inibiu de maneira concentração-dependente a ligação dos antagonistas [3 H]- SR95531 a receptores GABAA e de [3 H]-CGP 54626 a receptores GABAB. No ensaio usando a [35S]-GTPγS, demonstrou-se que o extrato não é um antagonista de receptor GABAB. Assim, conclui-se que os efeitos farmacológicos de Passiflora incarnata são mediados via modulação do sistema GABA, incluindo afinidades aos receptores GABAA e GABAB, e sobre a recaptação de GABA.(19)

Ensaios não-clínicos Farmacológicos

A dose letal média oral do extrato hidroetanólico a 30% das partes aéreas em camundongos foi de 37,0 mL/kg de peso corporal.(20) Nenhum sinal de toxicidade aguda foi observada em camundongos que receberam extratos das partes aéreas nas doses de 500 mg/kg ou 900 mg/kg.(21,22) Foram observa- dos sinais de toxicidade em camundongos (por via intraperitoneal) com doses superiores a 900 mg/ kg.(17,23,24) Estudo não-clinico in vivo em ratas wistar a administração de extrato hidroetanólico padronizado de P. incarnata (30 ou 300 mg/kg, oral) durante a gestação e a lactação não produziu toxicidade reprodutiva maternal, mostrando-se seguro nas condições experimentais.(25)

Ensaios não-clínicos Toxicológicos

Em um estudo clínico, duplo-cego, randomizado e placebo-controlado com 60 pacientes com idade entre 25-55 anos, que foram submetidos à anestesia raquidiana, que receberam extrato aquoso de Passiflora incarnata (700 mg/5 mL) ou placebo, o tratamento com P. incarnata suprimiu a ansiedade antes da anestesia raquidiana de maneira estatisticamente significativa, quando comparado ao placebo, , e com isso demonstrou ser um medicamento ansiolítico efetivo e seguro.(26) A eficácia clínica de P. incarnata (extrato hidroetanólico) foi determinada em estudo randomizado, com 63 pacientes, com moderada, alta e severa ansiedade de acordo com escore de VAS, na redução da ansiedade durante procedimento dentário (tratamento periodontal). Foi observada diferença significativa nos níveis de ansiedade antes e depois da administração da P. incarnata (p< 0,0001) e entre passiflora e o grupo placebo. Com o resultado verificou-se que a administração de passiflora, como pré-medicação, é significativamente efetiva na redução da ansiedade.(27)

Ensaios clínicos Farmacológicos

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.

Ensaios clínicos Toxicológicos

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. Memento Fitoterápico, 1° Edição, 2016. Disponível em: http://bit.ly/2LMgjOy

FONTE

1: Maruki-Uchida H, Morita M, Yonei Y, Sai M. Effect of Passion Fruit Seed Extract Rich in Piceatannol on the Skin of Women: A Randomized, Placebo-Controlled, Double-Blind Trial. J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo). 2018;64(1):75-80. doi: 10.3177/jnsv.64.75. PubMed PMID: 29491276. 2: Kitada M, Ogura Y, Maruki-Uchida H, Sai M, Suzuki T, Kanasaki K, Hara Y, Seto H, Kuroshima Y, Monno I, Koya D. The Effect of Piceatannol from Passion Fruit (Passiflora edulis) Seeds on Metabolic Health in Humans. Nutrients. 2017 Oct 18;9(10). pii: E1142. doi: 10.3390/nu9101142. PubMed PMID: 29057795; PubMed Central PMCID: PMC5691758. 3: Dantas LP, de Oliveira-Ribeiro A, de Almeida-Souza LM, Groppo FC. Effects of passiflora incarnata and midazolam for control of anxiety in patients undergoing dental extraction. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2017 Jan 1;22(1):e95-e101. PubMed PMID: 27918731; PubMed Central PMCID: PMC5217504. 4: Maroo N, Hazra A, Das T. Efficacy and safety of a polyherbal sedative-hypnotic formulation NSF-3 in primary insomnia in comparison to zolpidem: a randomized controlled trial. Indian J Pharmacol. 2013 Jan-Feb;45(1):34-9. doi: 10.4103/0253-7613.106432. PubMed PMID: 23543804; PubMed Central PMCID: PMC3608291. 5: de Queiroz Mdo S, Janebro DI, da Cunha MA, Medeiros Jdos S, Sabaa-Srur AU, Diniz Mde F, Dos Santos SC. Effect of the yellow passion fruit peel flour (Passiflora edulis f. flavicarpa deg.) in insulin sensitivity in type 2 diabetes mellitus patients. Nutr J. 2012 Oct 22;11:89. doi: 10.1186/1475-2891-11-89. PubMed PMID: 23088514; PubMed Central PMCID: PMC3507806. 6: Aslanargun P, Cuvas O, Dikmen B, Aslan E, Yuksel MU. Passiflora incarnata Linneaus as an anxiolytic before spinal anesthesia. J Anesth. 2012 Feb;26(1):39-44. doi: 10.1007/s00540-011-1265-6. Epub 2011 Nov 3. PubMed PMID: 22048283. 7: Ngan A, Conduit R. A double-blind, placebo-controlled investigation of the effects of Passiflora incarnata (passionflower) herbal tea on subjective sleep quality. Phytother Res. 2011 Aug;25(8):1153-9. doi: 10.1002/ptr.3400. Epub 2011 Feb 3. PubMed PMID: 21294203. 8: Watson RR, Zibadi S, Rafatpanah H, Jabbari F, Ghasemi R, Ghafari J, Afrasiabi H, Foo LY, Faridhosseini R. Oral administration of the purple passion fruit peel extract reduces wheeze and cough and improves shortness of breath in adults with asthma. Nutr Res. 2008 Mar;28(3):166-71. doi: 10.1016/j.nutres.2008.01.003. PubMed PMID: 19083404. 9: Movafegh A, Alizadeh R, Hajimohamadi F, Esfehani F, Nejatfar M. Preoperative oral Passiflora incarnata reduces anxiety in ambulatory surgery patients: a double-blind, placebo-controlled study. Anesth Analg. 2008 Jun;106(6):1728-32. doi: 10.1213/ane.0b013e318172c3f9. PubMed PMID: 18499602. 10: Ulbricht C, Basch E, Boon H, Karpa KD, Gianutsos G, Nummy K, Seamon E, Smith M, Sollars D, Tanguay-Colucci S, Varghese M, Weissner W, Woods J. An evidence-based systematic review of passion flower (Passiflora incarnata L.) by the Natural Standard Research Collaboration. J Diet Suppl. 2008;5(3):310-40. doi: 10.1080/19390210802414360. Review. PubMed PMID: 22432466.

SELEÇÃO DE PUBLICAÇÕES 

 

(1) TROPICOS. Disponível em: http://www.tropicos.org/Name/24200150?tab=synonyms>. Acesso em: 03 maio 2016.

(2) BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. 5. ed. Brasília, DF: ANVISA. v. 2, p. 546, 2010. (3) WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO monographs on selected medicinal plants. Geneva, Switzerland: World Health Organization, v. 3, p. 257-267, 2007.

(4) BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. 1. ed. Brasília, DF: ANVISA, 2011. 126 p.

(5) MATOS, F. J. A.; VIANA, G. S. B.; BANDEIRA, M. A. M. Guia fitoterápico. Fortaleza: Editora da UFC, 2001. (6) MATOS, F. J. A. As plantas das farmácias vivas. Fortaleza: Editora BNB, 1997.

(7) MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha. Fortaleza: Editora da UFC, 1997. (8) MATOS, F. J. A. Farmácias vivas. 3. ed. Fortaleza: Editora da UFC, 1998.

(9) MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste Brasileiro. 2. ed. Fortaleza: Editora da UFC, 2000.

(10) VIANA, G. S. B.; BANDEIRA, M. A. M.; MATOS, F. J. A. Guia fitoterápico. Fortaleza: Editora da UFC, 1998.

(11) Passiflorae herba. In: European scientific cooperative on phytotherapy (ESCOP) monographs on the medicinal uses of plant drugs, Fascicule 4. ESCOP, Exeter, UK; 1997.

(12) SMITH, G. W.; CHALMERS, T. M.; NUKI, G. Vasculitis associated with herbal preparation containing Passiflora extract. British Journal of Rheumatology, v. 32, p. 87–88, 1993.

(13) GIAVINA-BIANCHI, P. F. et al. Occupational respiratory allergic disease induced by Passiflora alata and Rhamnus purshiana. Annals of Allergy, Asthma, and Immunology, v. 79, p. 449–454, 1997.]

(14) RAMOS-RUIZ, A. et al. Screening of medicinal plants for induction of somatic segregation activity in Aspergillus nidulans. Journal of Ethnopharmacology, v. 52, p. 123–127, 1996.

(15) NEWALL, C. A., ANDERSON, J. D., PHILLIPSON. Herbal Medicines: A Guide for Health Care Professionals. London: The Pharmaceutical Press, 1996.

(16) EMA. European Medicines Agency. Community herbal monograph on Passiflora incarnata L., herba. Disponível em: < http:// www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/Herbal_-_Community_herbal_monograph/2014/06/WC500168966.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2015.

(17) MÜLLER, S. D.; VASCONCELOS, S. B.; COELHO, M.; BIAVATTI, M. W. LC and UV determination of flavonoids from Passiflora ala- ta medicinal extracts and leaves. Journal Pharm Biomed Anal, v. 37, p. 399–403, 2005.

(18) SOULIMANI, R.; YOUNOS, C.; JARMOUNI, S.; BOUSTA, D.; MISSLIN, R.; MORTIER, F. Behauvioural effects of Passiflora incarnata L. and its índole alkaloid and flavo- noid derivatives and maltol in the mouse. J. Ethnopharmacol, v. 57, n. 1, p. 11-20, 1997.

(19) APPEL, K.; ROSE, T.; FIEBICH, B.; KAMMLER, T.; HOFFMANN, C.; WEISS, G. Modulation of the Gamma-Aminobutyric Acid (GABA) System by Passiflora incarnata L. Phytotherapy Research, v. 25, n. 6, p. 838-843, 2011.

(20) LESLIE, G. B. A pharmacometric evaluation of nine Bio-Strath herbal remedies. Medita, v. 8, p. 3–19, 1978. (21) SPERONI, E.; MINGHETTI, A. Neuropharmacological activity of extracts from Passiflora incarnata. Planta Medica, v. 54, p. 488– 491, 1988.

(22) AOYAGI, N.; KIMURA, R.; MURATA, T. Studies on Passifl ora incarnata dry extract. I. Isolation of maltol and pharmacological action of maltol and ethyl maltol. Chemical and Pharmaceutical Bulletin, v. 22, p. 1008–1113, 1974.

(23) PDR. Physicians’ Desk Reference for herbal medicines. Passion flower (Passiflora incarnata). 2nd ed. Montvale New Jersey: Medical Economics Company, 2000.

(24) CAÑIGUERAL, S. et al. Fitoterapia: Vademécum de Prescripción. 4. ed. México: Masson & Cie, 2003.

(25) BOLL, K. M.; BORTOLASCI, C. C.; ZAMINELLI, T.; VERÍSSIMO, L. F.; BACCHI, A. D.; HIGACHI, L.; BARBOSA, D. S.; MOREIRA, E. G. Passiflora incarnata treatment during gestation and lactation: toxicological and antioxidant evaluation in wistar dams. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 50, n. 2, p. 353-360, 2014.

(26) ASLANARGUN, P.; CUVAS, O.; DIKMEN, B.; ASLAN, E.; YUKSEL, M. U. Passiflora incarnata Linneaus as an anxiolytic before spinal anesthesia. J Anesth, v. 26, p. 39–44, 2012.

(27) KAVIANI, N.; TAVAKOLI, M.; TABANMEHR, M. R.; HAVAEI, R. A. The Efficacy of Passiflora Incarnata Linnaeus in Reducing Dental Anxiety in Patients Undergoing Periodontal Treatment. Journal of Dentistry, v.14, n. 2, p.68, 2013.

Imagem Name Passiflora incarnata L. Specimen Davidse, Gerrit – 42505. Short Description Honey bee pollination, styles down Long DescriptionHoney bee pollination, styles down. Image Kind Photo (general). Copyright Gerrit Davidse Photographer Gerrit Davidse. Fonte: Tropicos. Disponível em: http://bit.ly/2RNPUoY

REFERÊNCIAS