Soja

IDENTIFICAÇÃO

Glycine max (L.) Merr.

creeping-1300062.png

Leguminosae

-

Sinonímia

Espécie

Família

Ref.: (1); (2); (3)

Nome Popular

Soja

Parte utilizada/órgão vegetal

Sementes.(2,4,5)

Esse fitoterápico é indicado como coadjuvante no alívio dos sintomas do climatério: sintomas vasomotores, tais como: ondas de calor e sudorese. É considerado modulador seletivo de receptores estrogênicos.(2,6)

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

 

Esse fitoterápico é contraindicado para menores de 12 anos. Pacientes com histórico de hipersensibilidade e alergia a qualquer um dos componentes do fitoterápico não devem fazer uso do mesmo.

CONTRAINDICAÇÕES

 

Pode ocorrer reação alérgica cruzada com amendoim.(2) De acordo com a categoria de risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, esse fitoterápico está incluído na categoria de risco C. Não há estudos disponíveis sobre a teratogenicidade de preparações com alta concentração de isoflavonas, bem como não há evidências científicas disponíveis sobre a segurança de seu uso durante a gestação e lactação, devendo seu emprego ser evitado nessas condições. Esse fitoterápico não deve ser utilizado por mulheres grávidas e em amamentação sem orientação médica.(2)

PRECAUÇÕES DE USO

 

O uso desse fitoterápico pode provocar distúrbios gastrointestinais leves como constipação, flatulência e náusea.(7) Nas doses diárias recomendadas, não foram relatadas reações adversas graves.(8)

EFEITOS ADVERSOS

 

Evitar a associação desse fitoterápico com contraceptivos e outros medicamentos de ação estrogênica.(10) A efetividade do tamoxifeno pode ser diminuída por medicamentos à base de soja.(11) A proteína da soja pode reduzir a absorção de levotiroxina no trato digestivo, portanto não se deve tomar os dois medicamentos concomitantemente. É necessário aguardar 2 horas entre uma e outra tomada.(7) As isoflavonas genisteína e daidzeína podem bloquear a tireóide peroxidase e inibir a síntese de tiroxina. Pode ocorrer hipotireoidismo durante tratamentos prolongados.(12) O uso de medicamentos que alteram a microbiota intestinal, como os antibióticos, p

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

 

Cápsulas contendo extrato de G. max: padronizado para conter no mínimo 400 mg em isoflavonas.(2)

FORMAS FARMACÊUTICAS

 

Oral. A dose diária deve estar entre 50 e 120 mg de isoflavonas.(6)

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E POSOLOGIA (DOSE E INTERVALO)

 

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre o tempo máximo de utilização. O tempo de uso depende da indicação terapêutica e da evolução do quadro acompanhada pelo profissional prescritor.

TEMPO DE UTILIZAÇÃO

 

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre problemas decorrentes de superdosagem. Em caso de ingestão de quantidades acima das recomendadas o paciente deve ser observado.

SUPERDOSAGEM

 

PRESCRIÇÃO

Fitoterápico, isento de prescrição médica.

 

Isoflavine, Soyfemme, Isovit, Isoclim, Soyfit, Buona

NOMES COMERCIAIS

Variação de Preço: R$ 39,71  /  R$ 91,75

 
+ Informações

Antocianinas,(13,14,15) isoflavonas(2,4,16) (genisteína, daidzina, glicitina, daidzeina).(17,18,19,20) Outros: tocoferol,(4) e saponinas.(21)

PRINCIPAIS CLASSES QUÍMICAS

INFORMAÇÕES SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA

 

Antocianinas extraídas da casca da semente de G. max foram eficazes na melhora do perfil lipídico, reduzindo os níveis de triglicerídeos séricos e de colesterol de ratos obesos.(5)

Ensaios não-clínicos Farmacológicos

Não foram detectadas alterações histológicas e hematológicas, em ratos e camundongos quando administrado por via oral o extrato hidroetanólico padronizado (Chorono Care™) da casca da semente de G. max. (3)

Ensaios não-clínicos Toxicológicos

Ensaios clínicos Farmacológicos Gel de isoflavonas derivadas de G. max proporcionou melhora da atrofia vaginal em mulheres na pós-menopausa,(19) além da redução do ressecamento vaginal.(20) Em estudo multicêntrico, randomizado, duplo cego, avaliou-se 177 mulheres em fase de pós-menopausa, recebendo dose diária do extrato de G. max padronizado em 50 mg de isoflavonas ou placebo. Com os resultados concluiu-se que houve redução, estatisticamente significativa, na severidade e frequência das ondas de calor, durante as 12 semanas, no grupo que recebeu extrato de soja, quando comparado ao grupo placebo. Não houve alteração significativa na espessura do endométrio, no pH e na mucosa vaginal, nos dois grupos de pacientes, quando comparados com o início do estudo.(22) Outro estudo randomizado, duplo cego, prospectivo, foi realizado com 79 pacientes na pós-menopausa para avaliar a melhora de fogachos característicos do climatério menopausa com administração de extrato de soja contendo isoflavonas. As pacientes foram distribuídas, conforme programa de randomização, em dois grupos. O primeiro recebeu 150 mg de extrato de G. max contendo 60 mg de isoflavonas, por via oral a cada 12 horas, continuamente por 6 meses. O segundo grupo recebeu duas cápsulas, por via oral de 12 em 12 horas, continuamente, uma das quais continha 0,625 mg de estrogênios conjugados e outro, placebo. A partir do estudo verificou-se que as isoflavonas, de maneira similar aos estrogênios, aliviaram os sintomas climatéricos após o segundo mês de tratamento. Os efeitos sobre os sintomas vasomotores foram semelhantes aos dos estrogênios durante os seis meses de tratamento, sem ocorrer alteração no pH e na mucosa vaginal e sem acarretar proliferação endometrial nas pacientes que receberam isoflavonas.(23,24)

Ensaios clínicos Farmacológicos

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.

Ensaios clínicos Toxicológicos

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. Memento Fitoterápico, 1° Edição, 2016. Disponível em: http://bit.ly/2LMgjOy

FONTE

SELEÇÃO DE PUBLICAÇÕES 

 

(1) TROPICOS. Disponível em: http://www.tropicos.org/NameSearch.aspx?name=Glycine+max& commonname=>. Acessado em: 06 maio 2016.

(2) D´IPPOLITO, J.A.C.; ROCHA, L.M.; SILVA, R.F. Fitorerapia Magistral – Um guia prático para a manipulação de fitoterápicos. São Paulo: Anfarmag, 2005. 194 p.

(3) FUKUDA, I.; TSUTSUI, M.; YOSHIDA, T.; TODA, T.; TSUDA, T.; ASHIDA, H. Oral toxicological studies of black soybean (Glycine max) hull extract: Acute studies in rats and mice, and chronic studies in mice. Food and Chemical Toxicology, v. 49, p. 3272–3278, 2011.

(4) FISK, I. D.; GRAY, A. D.. Soybean (Glycine max) Oil Bodies and Their Associated Phytochemicals. Journal of Food Science, v. 76, p. 1349-1354, 2011.

(5) KWON, S.; AHN, I.; KIM, S.; KONG, C.; CHUNG, H.; DO, M.; PARK, K. Anti-Obesity and Hypolipidemic Effects of Black Soybean Anthocyanins. Journal of Medicinal Food, v. 10, p. 552–556, 2007.

(6) BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Bulas Padrão de Medicamentos Fitoterápicos. Disponivel em: . Acesso em: 19 fev. 2015.

(7) TSOURONIS, C. Clinical effects of phytoestrogens. Clin Obstet Gynecol, v. 44, p. 836-842, 2001. (8) MOLL, M. et al. Fitoestrógenos: possibilidades terapêuticas. Revista de Fitoterapia, v. 1, n. 3, p. 165- 180, 2000.

(9) BLOEDON, L. A. et al. Safety and pharmacokinetics of purified soy isoflavones: single-dose administration to postmenopausal women. Am J Clin Nutr, v. 76, p. 1126-1137, 2002.

(10) Yim, D. K.; Baracat, E. C.; Han, K. K.; Giräo, M. J. B. C.; Panizzi, M. C. C. Efeitos da isoflavona na síndrome do climatério / The effects of isoflavo- ne in climacteric syndrome. Rev Bras Med, v. 57, p. 21-24, 2000.

(11) JU, Y. H. et al. Dietary genistein negates the inhibitory effect of tamoxifen on growth of estrogen-dependent human breast cancer (MCF-7) cells implanted in athymic mice. Cancer Res, v. 62, n. 9, p. 2474-2477, 2002.

(12) DIVI, R. L.; CHANG, H. C.; DOERGE, D. R. Anti-thiroid isoflavones from soy bean. Isolation, characterization and mechanisms of ac- tion. Biochem Pharmacol, v. 54, p. 1087-1096, 1997.

(13) CHOE, Y.; HA, T.; KO, K.; LEE, S.; SHIN, S.; KIM, H. Anthocyanins in the black soybean (Glycine max L.) protect U2OS cells from apoptosis by inducing autophagy via the activation of ade- nosyl monophosphate-dependent protein kinase. Oncology Reports, v. 28, p. 2049-2056, 2012.

(14) KIM, Y.; YOON, H.; LEE, Y. D.; YOUN, D.; HA, T. J.; KIM, H.; LEE, J. Anthocyanin Extracts from Black Soybean (Glycine max L.) Protect Human Glial Cells Against OxygenGlucose Deprivation by Promoting Autophagy. Biomolecules & Therapeutics, v. 20, p. 68-74, 2012.

(15) KIM, S.; CHUNG, M. J.; HA, T. J.; CHOI, H. N.; JANG, S. J.; KIM, S. O.; CHUN, M. H.; DO, S. I.; CHOO, Y. K.; PARK, Y. I. Neuroprotective effects of black soybean anthocyanins via inactivation of ASK1–JNK/p38 pathways and mobilization of cellular sialic acids. Life Sciences, v. 90, p. 874–882, 2012.

(16) GUTIERREZ, N.; GONZALES, R.; FRENICH, A.G.; VIDAL, J.L.M.Identification and quantification of the main isoflavones and other phytochemicals in soy based nutraceutical products by liquid chromatography–orbitrap high resolution mass spectrometry. Journal of Chromatography A, v. 1348, p. 125–136, 2014.

(17) KIM, J.; KIM, E.; P, I.; YU, B.; LIM, J.D.; LEE, Y.; LEE, J.; KIM, S.; CHUNG, I. Isoflavones profiling of soybean [Glycine max (L.) Merrill] germplasms and their correlations with metabolic pathways. Food Chemistry, v. 153, p. 258–264, 2014.

(18) OHA, H.; KANG, Y.; NA, T.; KIM, H.; PARK, J. S.; CHO, W.; LEE, M. Identification of daidzein as a ligand of retinoic acid receptor that suppresses expression of matrix metalloproteinase-9 in HaCaT cells. Molecular and Cellular Endocrinology, v. 376, p. 107–113, 2013.

(19) LIMA, S. M. R. R.; BERNARDO, B. F. A.; YAMADA, S. S.; REIS, B. F.; SILVA, G. M. D.; GALVAO, M. A. L. Effects of Glycine max (L.) Merr. soy isoflavone vaginal gel on epithelium morphology and estrogen receptor expression in postmenopausal women: A 12-week, randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Maturitas, v. 78, p. 205–211, 2014.

(20) LIMA, S. M. R. R.; YAMADA, S. S.; REIS, B. F.; POSTIGO, S.; SILVA, M. A. L. G.; AOKI, T. Effective treatment of vaginal atrophy with isoflavone vaginal gel. Maturitas, v. 74, p. 252– 258, 2013.

(21) TANTRY, M. A.; KHAN, I. A. Saponins from Glycine max Merrill (soybean). Fitoterapia, v. 87, p. 49–56, 2013.

(22) UPMALIS, D. et al. Vasomotor symptom relief by soy isoflavone extract tablets in postmenopausal women: a multicenter, double-blind, randomized, placebo-controlled study. Menopause, v. 7, n. 4, p. 236-242, 2000.

(23) KAARI, C. Efeitos da isoflavona nos sintomas climatéricos, na qualidade de vida, no trato genital e na mama de mulheres pós-menopáusi- cas. 2003. 96 f. Tese (Doutorado em Ginecologia) - Escola Paulista de Medicina. Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2003.

(24) KAARI, C. et al. Randomized clinical trial comparing conjugated equine estrogens and iso- flavones in postmenopausal women: a pilot study. Maturitas, v. 53, p. 49-58, 2006.

Imagem. Glycine max 'Hokkaido Black' - Glycine max 'Hokkaido Black' RCP6-2016 (122). Dr Henry Oakeley's RCP Medicinal Plants. Kew Royal Botanic Gardens. Disponível em: https://www.kew.org/. “RBG, Kew cannot warrant the quality or accuracy of the data.”

REFERÊNCIAS